Manifestações Alerj

Ao mesmo tempo em que sou chamada a retomar a minha sanidade (forte né?), meu senso de realidade puxa pra um oporto interessante. Todas as teorias da conspiração parecem verdadeiras quando a gente se depara com a realidade que estamos agora.
Vim pra uma reunião no Centro do Rio e o que vejo: A GUERRA.

Eu não sei se em 2013 foi assim.
Se em 2014 foi assim.
Minha vida era o caos naquele momento e eu me lembro de vibrar mas não poder estar por lá.
Eu precisava sobreviver.
E nas manifestações em que estive em 2015 e 2016 não teve isso. Era tudo aglomerado. Mas, pacífico. E enfim, de qualquer forma, hoje, eu estava indo pra uma reunião.

Era pra ser um meeting.

Era pra ter uma gravação.

Apesar do entorno caótico de conseguir me localizar melhor geograficamente, emocionalmente, mentalmente....

O Rio que vejo agora, não mais o reconheço.
As imagens que vi hoje me remontaram à São Paulo de 99 nas manifestações na frente da BOVESPA mas, nem ali, o ESTADO reagira com tanta agressividade. O ESTADO (re)AGIU com muita MUITA agressividade.
.
.
A população está rebelada, estão trabalhando e estão sem salários há tempos.
Recebendo o que é devido aos pingos.
Esquece-se que nesse país, nessa cultura, o trabalho e o salário são motivos de resignação e de orgulho então, o que acontece com as pessoas quando elas tem um e não tem o outro: perderam a estabilidade sem prévio aviso. E estavam rebeldes em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro porque não tinham mais a perder. E o ESTADO reagiu. Mal. E tiveram resposta. Então, de repente parecia batalha campal.
.
Eu, fui tomada por um sentimento e vesti a camisa da indignação.
A Keila jornalista correspondente internaciona de guerra tomou conta de mim e do meu celular e eu dimensifiquei essa realidade da forma que pude. Simplesmente, não saí dali. Mas digo, Não foi bonito.
.
Na saida pra casa, me deparei com a festinha  fofa do MST com funk e organicos baratos.
Àquela altura eu já não dava conta de tanta discrepância. De tantos paradoxos.

"O mundo está ao contrário e ninguém reparou" era uma letra de música e se tornou uma constatação.
Simples assim.
Next Post Newer Post Previous Post Older Post Home
jQuery(document).ready(function(e) { e(".article_slider").owlCarousel({ autoPlay: 1e4, slideSpeed: 400, singleItem: true, navigation: false, pagination: true, }); }) $(".popular-posts .item-thumbnail img").attr("src", function (e, t) { return t.replace("s72-c", "s180-c") }); $('.popular-posts ul li .item-snippet').each(function(){ var txt=$(this).text().substr(0,150); var j=txt.lastIndexOf(' '); if(j>10) $(this).text(txt.substr(0,j).replace(/[?,!\.-:;]*$/,' ...')); }); $(document).ready(function(){ var smooth_scroll = $('#smooth_scroll'); //Click event to scroll to top smooth_scroll.click(function(){ $('html, body').animate({scrollTop : 0},800); return false; }); var menu_toggle = $('a.vt_menu_toggle'); menu_toggle.click(function(){ $("ul.blog_menus").slideToggle(); }); }); //]]>